Nos tempos atuais vemos a praticidade como aspecto básico para a qualidade de vida e para que possamos atender às exigências crescentes do nosso dia a dia. Essa sem dúvida é uma questão preponderante a considerar, porém em muitos casos sua aplicação reverte em detrimento da nossa felicidade, freqüentemente sem que o percebamos.

Outro fator importante, que também faz parte da nossa cultura, é nossa capacidade de resignação, aceitando e nos acomodando com situações adversas, da mesma forma que o fazemos com os aspectos positivos.

Todos temos experiência que se submetidos a situações em que tenhamos que viver em ambientes com maior beleza ou em convívio com a beleza da natureza, por ser prazeroso, nem percebemos as sensações positivas que desfrutamos e nem o aumento de nossa capacidade perceptiva, ou a vida com paz e saúde decorrentes. Quando o inverso acontece, estranhamos ou mesmo sofremos de início, mas nos acostumamos e em pouco tempo já não mais percebemos estar vivendo situações desagradáveis, tudo se passa dessa forma a menos que tenhamos caminhado para essa situação de maneira abrupta.

Nessas situações não sentimos prazer, mas não percebemos a perda de capacidade perceptiva, que vai nos entorpecendo, enfraquecendo a força da ação da nossa consciência, a menos que façamos esforços especiais.

A busca da praticidade nos leva, muitas vezes, a que aceitemos situações e condições como as que acabamos de descrever, sem nos darmos conta das influências sobre nossa saúde física, mental e emocional, aceitando cada vez mais aspectos que favorecem a infelicidade, tanto nossa como das pessoas que amamos.

Colocando cada vez mais a flor e as artes em nosso convívio, recebemos sua energia e nos refazemos com a poderosa vibração da natureza e garantimos condições para vivermos um mundo paradisíaco. Levar essa ação a todos os ambientes do mundo, onde quer que existam pessoas é condição básica de JUSTIÇA SOCIAL.

Nesse sentido vamos cuidar dos ambientes em que vivemos ou sobre os quais podemos influenciar, para que a justiça social em seu nível mais nobre possa ocorrer neste mundo, criando com nossos hábitos uma cultura baseada no belo e no respeito à natureza, fazendo deste mundo um paraíso.