Falar em “felicidade no amor” soa para muitos como um conto de fadas, embora, por outro lado não há no mundo quem não deseje concretizar esse sonho, ainda que não o manifeste.

O ser humano parece ter gravado em sua constituição energética a necessidade de concretizar esse feito, embora poucos o consigam em profundidade, ou pelo menos por um largo tempo, ao mesmo tempo em que parece incrível que mesmo não acreditando muito que isso seja possível, todos sonhamos conseguir um amor verdadeiro, intenso e duradouro.

O fato de não acreditar que isso seja possível tem suas razões lógicas, pois o que mais observamos é a existência de tantos desencontros entre casais do nosso relacionamento, fazendo com que fique difícil crer que isso seja realmente possível.

Enfim, a grande questão parece ser:

“porque a realidade se mostra dessa maneira?”

Talvez o primeiro ponto de importância capital resida em algumas de nossas crenças, que nos tiram da responsabilidade pela nossa felicidade para nos entregar à sorte ou destino, diante do qual nada podemos fazer.

Exemplificando temos: “o amor acontece sem que possamos agir sobre ele”, “felicidade no amor só por pura sorte”, “para ser feliz temos que encontrar nossa alma gêmea”.

Essas afirmações nos mostram que realmente acreditamos não ter nem ação e nem responsabilidade sobre o amor e em consequentemente sobre a nossa felicidade afetiva. Essa afirmação equivale a se dizer que não temos responsabilidade inclusive sobre o sentimento das pessoas que dizemos amar, fato que em hipótese alguma podemos tomar como verdade.

Sendo assim certamente deve existir o caminho para que possamos atrair o amor da nossa vida e com ele concretizar a felicidade afetiva.

Essa constatação nos mostra “uma luz no fundo do túnel”, ou seja, que podemos sonhar com a felicidade afetiva e com a possibilidade de criar e viver uma linda história de amor.

Artigo baseado nos conceitos do livro “Ouse e seja feliz no amor”.

http://ouseesejafeliznoamor.blogspot.com.br/